Elizabeth Lail Brasil

 

Elizabeth fala sobre YOU e novos projetos com a Image Magazine

Via;
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR;

O que você pensa sobre tantas mulheres romantizando Joe, apesar dele ser um perseguidor e assassino?
Acho que estamos programados dessa maneira. Eu inclusive. Com todos os rom-coms e contos de fadas que lemos, estamos programados para torcer pelo herói a qualquer custo, infelizmente. E assim, minha esperança é que essas mulheres percebam isso dentro de si; e pergunte a si mesmas: “Oh Deus, por que eu amo esse homem terrível?” Espero que eles reconheçam isso como um viés inconsciente (que está dentro da maioria de nós) e trabalhem ativamente contra isso.

Beck recebe muitas críticas por seu comportamento na série também… você acha que isso é justificado?
Nem todo mundo gosta de Beck porque ela é imperfeita; o que confunde minha mente às vezes porque eu realmente não acredito que você possa culpar a vítima. Nunca. Só porque ela não tem cortinas não significa que ela quer ser manipulada, capturada e controlada. As pessoas são muito duras com a Beck, mas eu sou sempre rápida em dizer que ela é a vítima nessa situação, e sim ela é imperfeita – todos nós somos. E suas imperfeições não são nada comparadas às de Joe.

Continue lendo “Elizabeth fala sobre YOU e novos projetos com a Image Magazine”

Elizabeth é entrevistada pela Cosmopolitan ES

Via;
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR;

Quando você se dedica à interpretação, sempre há um projeto que coloca você no mapa. No caso de Elizabeth Lail, foi ‘You’, um dos últimos sucessos da Netflix. Ela dá vida a Beck, o protagonista deste “thriller” e objeto de desejo de Joe [Penn Badgley], um gerente de livraria que se torna obcecado por ela. Sem dúvida, ela é uma das atrizes do momento e nós a entrevistamos para falar sobre como esse personagem a marcou, o uso de redes sociais e se ela vai participar de alguma forma, por mais difícil que pareça, na segunda temporada que já está a caminho.

O que foi mais difícil ao interpretar a Beck?
Ela constantemente usa diferentes mecanismos de adaptação dependendo de quem ela é. Ela não sabe exatamente quem é ela, então, como atriz, eu também tive que descobrir por conta própria. É um sentimento muito humano, então eu lutei com a verdade da personagem, da mesma forma que ela mesma fez.

Continue lendo “Elizabeth é entrevistada pela Cosmopolitan ES”

Elizabeth em entrevista ao JustAboutTV[.]fr

Via;
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR;

Nós a vimos pela primeira vez em Once Upon a Time na quarta temporada, você interpretou a irmã de Elsa, a Anna. Quais são as boas lembranças que você mantém da série?
Foi tão mágico. Foi o meu primeiro emprego, então senti que havia morrido e cheguei ao céu. Mas mais do que tudo, aprecio as pessoas que conheci durante as filmagens.

Os criadores do Once Upon a Time convidaram você para interpretar Amy Hughes em Dead of Summer. Você encontrou Elizabeth Mitchell (com quem também atuou em Once Upon a Time). Você pode nos dizer sobre isso?
Eu amo Elizabeth Mitchell. Eu aproveitei a oportunidade para trabalhar com ela novamente e, claro, com Adam e Eddie (os criadores do Once Upon A Time). Eu tive um tempo tão bom em Once Upon A Time que eu sabia que queria continuar trabalhando com essas pessoas. Eu sou muito grata que eles viram algo em mim.

Continue lendo “Elizabeth em entrevista ao JustAboutTV[.]fr”

Elizabeth concede entrevista ao Women[.]es

Via;
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR;

Seu personagem desperta tanta simpatia quanto antipatia. O que te inspira?

Beck, eu gosto dela. A verdade é que é muito comum que algumas pessoas a considerem mal colocada; outros, por outro lado, entendem suas imperfeições, que consideram normais. Acredito que os erros são humanos e compatíveis com ser, além disso, uma mulher simpática e inteligente, e ter bons relacionamentos emocionais e outros que não lhe convêm. Essas coisas realmente acontecem na vida. Eu acho que sua personalidade é credível e dá confiança porque é autêntica, tem muita verdade.

Outro debate curioso sobre a série: certas pessoas sentem mais afinidade por Joe, o stalker, do que por sua vítima; Eles até te acham atraente. É algo procurado pela ficção ou um sintoma de machismo?

Eu acho que os criadores e roteiristas sabiam que isso iria acontecer, eles são os que desenham cada um dos personagens e quem determina quem será o herói da história. E, também, eles esperam que as pessoas se perguntem por que eles apoiam um assassino e um psicopata. Eu acho que eles queriam gerar debate e estão conseguindo.

Continue lendo “Elizabeth concede entrevista ao Women[.]es”