Elizabeth Lail Brasil

 

Elizabeth concede entrevista ao Women[.]es

Via;
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR;

Seu personagem desperta tanta simpatia quanto antipatia. O que te inspira?

Beck, eu gosto dela. A verdade é que é muito comum que algumas pessoas a considerem mal colocada; outros, por outro lado, entendem suas imperfeições, que consideram normais. Acredito que os erros são humanos e compatíveis com ser, além disso, uma mulher simpática e inteligente, e ter bons relacionamentos emocionais e outros que não lhe convêm. Essas coisas realmente acontecem na vida. Eu acho que sua personalidade é credível e dá confiança porque é autêntica, tem muita verdade.

Outro debate curioso sobre a série: certas pessoas sentem mais afinidade por Joe, o stalker, do que por sua vítima; Eles até te acham atraente. É algo procurado pela ficção ou um sintoma de machismo?

Eu acho que os criadores e roteiristas sabiam que isso iria acontecer, eles são os que desenham cada um dos personagens e quem determina quem será o herói da história. E, também, eles esperam que as pessoas se perguntem por que eles apoiam um assassino e um psicopata. Eu acho que eles queriam gerar debate e estão conseguindo.

E o que? É uma questão de sexismo?

Não da parte da equipe na série, é claro. A maioria dos diretores e roteiristas de ‘You’ são mulheres, e na produção há paridade, 50% de cada uma (os produtores e criadores são Sera Gamble e Greg Berlanti). Mas o que temos que nos perguntar é por que queremos perdoar um homem que faz coisas terríveis, não importa que essas coisas sejam crimes tão sérios quanto assassinato, manipulação e assédio. No final, os argumentos são um espelho dos comportamentos que existem na sociedade. Eu acho que é saudável refletir sobre quem somos e como vemos homens e mulheres. Espero que YOU nos lembre que na sociedade nem tudo está bem e isso nos faz nos perguntar se esta é a sociedade em que queremos estar em 10 anos.

Você acha Joe um personagem atraente?

Não. E não é uma questão de ser mais ou menos bonito ou fisicamente atraente. Mas, por exemplo, ele não tem amigos, é solitário… ele definitivamente não é meu tipo!

Que tipo de caras te atraem?

Pessoas legais que me fazem sentir confortável ao seu lado. E eles são capazes de identificar as diferenças absurdas que surgem entre homens e mulheres e trabalhar para ajustá-lo. E, já que perguntou, que eles sejam inteligentes e felizes e positivos. E todas as coisas boas. Coisas que não podem ser conhecidas com um simples olhar.

O uso que fazemos das redes sociais está no foco da série, que nos ensina tudo o que expomos nelas. Nós contamos demais?

Com certeza E certamente eu fiz isso. Em 15 anos, vamos ver as conseqüências de tudo isso. Quando fazemos isso e escrevemos nas redes, não damos importância, parece um jogo. Buscamos aceitação e rapidez de ‘curtidas’ e não percebemos pessoas que possam acessar essas informações. Nem que as pessoas, às vezes, não é o que parece.

Como resultado da série, você considerou ter mais cuidado com o que publica?

Talvez eu não seja uma dos que compartilham mais, mas tenho que admitir que agora estou muito mais presente nas redes pelo meu trabalho e pela divulgação que a série tem. Mas gostaria que as pessoas fossem mais conscientes das consequências que suas ações podem ter nas mídias sociais e de se protegerem mais. Hoje é compartilhado se você está aqui, com seu pai, com amigos Você tem que ter cuidado.

Beck se esforça para pertencer a um mundo de pessoas, ao qual ela, em princípio, não pertence. É talvez o resultado da mentalidade de “você vale o que tem”?

Ela procura desesperadamente amor e aceitação, e isso a leva a tomar decisões erradas. No final, em nossa geração do rápido ‘like’ e redes, a alta sociedade é o lugar onde você tem que estar, ao qual você aspira: você quer ser mais, ter mais, fazer mais e pertencer àquele grupo. É assim que ela concebe isso.

Que outras lições a série contém, na sua opinião?

Acima de tudo, a importância da privacidade em relação às redes sociais e que você não pode realmente conhecer alguém até que você tenha um contato mais duradouro. E que se um homem quiser manter um papel de controle sobre a mulher, saiba que isso não é normal e que você tem que colocarlimites

Você já leu algum dos romances recomendados na série?

Eu li os citados no começo, no primeiro episódio (aparece, por exemplo, ‘Desperate Characters’, de Paula Fox).

Nos Estados Unidos, é mais difícil ser atriz ou escritora, como sua personagem?

Eu acho que ser escritora. Pelo menos, sendo uma atriz você pode se esconder atrás de um papel, o trabalho dos escritores parece mais difícil… Sim, eu definitivamente acho que é mais difícil ser um romancista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *