45700380_2061800187210968_1092983317313558083_n.jpg
45448634_263264231038596_5960423341280985088_n.jpg
ELBR046.jpg
ELBR045.jpg
44466964_287038935274045_4754093873275168286_n.jpg
ELBR004.jpg
GALERIA ATUALIZADA DIARIAMENTE! Mais fotos
9
set 2018
Artigo  •  By  •  0 Comments

O HollywoodLife se encontrou EXCLUSIVAMENTE com Elizabeth antes da estréia para falar sobre a série e conversas importantes que envolvem o a trama . Ela revelou que vamos ver o lado de Beck em algum momento da série, o que é importante porque o livro é inteiramente do ponto de vista de Joe. Além disso, ela explica por que você não deveria julgar Beck.

Essa série explora o impacto das redes sociais e como estamos acessíveis com elas. Isso mudou sua percepção das redes?

Sabe, o esperado seria que sim. Mas não. Eu não gosto de viver com medo. Eu sou naturalmente uma pessoa fácil de lidar. As redes sociais são algo com o qual eu não uso muito de qualquer maneira. Eu não sinto que estou dando muito de mim ou que vai ser uma parte da minha vida para sempre. Eu não sou apegada e isso continua o mesmo.

Qual foi sua primeira impressão do relacionamento de Joe e Beck?

Bem, eu entendi porque Beck estava atraída por ele, e isso me frustrou porque eu pensei que em outro mundo eles seriam realmente bons um para o outro.

Na TV, na literatura e nos filmes, há alguns caras não tão bons que as pessoas sempre gostam. E há algumas pessoas que até mesmo torcer por Joe. Por que você acha que as pessoas ficam encantadas com os malvados às vezes?

Eu acho que nós ficamos romantizando-os, e Penn sempre fala sobre como faremos todo o possível para justificar um homem branco, e acho que isso é algo que está profundamente enraizado em nossa sociedade. Quando eles são atraentes, isso não dói. Honestamente, essa é a grande questão. Por que somos atraídos por coisas ruins? Como mulher, Beck é atraída por homens que são ruins para ela, e isso decorre de seu relacionamento com o pai e de sua autoestima. É doloroso, mas acho que é verdade para muitos de nós. Tomamos decisões erradas e somos atraídos por isso.

Vamos conhecer mais da Beck na série e ver a sua versão das coisas?

O livro é inteiramente do ponto de vista de [Joe]. Ele é o narrador, mas é pouco confiável, enquanto a série meio que permite que outras vozes entrem. Acho que definitivamente ajuda a entender de onde cada personagem está vindo. Especialmente Beck porque as pessoas costumam chamá-la de inocente e ingênua, mas isso não é verdade.

O ponto de vista da Beck pode realmente mudar um pouco nossa percepção. Porque ela é um pouco misteriosa.

Ela é um pouco mesmo. Ao mesmo tempo, acho que ela é muito compreensível, especialmente se você mora em Nova York ou se é uma mulher jovem. Muitas de suas lutas são comuns.

Têm diferença do livro para a série?

Eu acho que a série segue o livro. Existem algumas pequenas alterações. Eles adicionaram um personagem. São apenas coisas para melhorar a experiência do espectador de televisão.

É muito solitário estar na cidade às vezes.

Realmente. Ela é solitária quase a maior parte do tempo, e isso faz com que ela use mídias sociais, isso se torna uma saída, mas não é satisfatório no final do dia.

Como você descobriu sua química com Penn sabendo que tipo de cara Joe é?

Isso ajuda, por um lado, que Beck não sabe. Beck está lidando com o que vier pra cima dela. Ela não tem liberdade financeira para pensar no futuro. Ela não sabe o que sua carreira vai ser. Ela está aberta para ver o cara no bar. Não há muito pensamento a longo prazo. Ela não está realmente vendo ele dessa maneira, não até mais tarde, quando eles se aproximarem. Isso ajuda porque Penn é um ser humano realmente incrível, fora dele como Joe. Ele é uma ótima pessoa. Fomos muito facilmente capazes de falar sobre as coisas e criar espaços seguros mesmo quando as coisas assustadoras estão acontecendo.

Que mensagem você tem para os fãs que acham que Beck está sendo ingênuo sobre o quanto Joe vai ficar com ela?

Bem, honestamente, se você olhar para qualquer rom-com e o tipo de coisas que homens estão fazendo com as mulheres, nós as aceitamos como normais por um longo tempo. Tipo, o cara parado do lado de fora da janela segurando uma caixa de música era considerado romântico. Beck também cresceu onde esses tipos de filmes de alguma forma justificaram atos realmente assustadores ou homens que não aceitaram um não como resposta. Essas coisas foram consideradas OK, como algo que você pode querer. Ser perseguida. Estas são todas as coisas que literatura e filmes e nossa sociedade perpetuam, e eu acho que isso tem algo a ver com isso.

Via
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR

Leave a Reply