Elizabeth Lail Brasil



 
Elizabeth fala sobre ‘YOU’, série de David Fincher e ‘Supergirl’ com o THR

Elizabeth fala sobre ‘YOU’, série de David Fincher e ‘Supergirl’ com o THR

Elizabeth Lail teve seus cinco primeiro anos em Hollywood agitados. Depois de se formar na School of the Arts da University of North Caroline, na primavera de 2014, Lail rapidamente conseguiu o papel de Anna (baseada no personagem Frozen) em Once Upon a Time, da ABC. A partir daí, Lail não perdeu tempo e se tornou uma finalista para interpretar Kara Danvers / Supergirl na Supergirl da CBS. Pouco tempo depois, ela conseguiu seu trabalho dos sonhos na época por meio de David Fincher e o Videosyncrazy da HBO, que interromperam a produção após apenas quatro episódios e nunca retomaram as filmagens. Para recapitular, todos esses eventos ocorreram nos primeiros meses de sua carreira de atriz.

No início de 2016, Lail conseguiu o papel principal em Dead of Summer, da Freeform, que durou dez episódios. Depois de algumas participações especiais em The Blacklist e The Good Fight, 2017 abriu o caminho para o que se tornaria seu maior sucesso até hoje como Guinevere Beck, a protagonista feminina de YOU da Lifetime. O thriller psicológico estreou na Lifetime em setembro de 2018, mas foi cancelado apenas três meses depois. Felizmente, a Netflix, que já possuía os direitos de distribuição internacional de YOU, renovou a série para a segunda temporada. A primeira temporada chegou à Netflix (nos EUA) em 26 de dezembro de 2018 e, dentro de um mês, fomos informados que YOU tinha sido assistido por 40 milhões deassinantes da Netflix. Apesar do destino trágico para a personagem de Lail, ela não poderia ser mais agradecida pela experiência.

“Parece cereja no topo do bolo”, Lail disse ao The Hollywood Reporter. “Você nunca sabe realmente o que está se envolvendo e não faz ideia se alguém vai querer assistir ou não. As pessoas estavam tão investidas no destino dela, e isso criou muitas conversas interessantes – e importantes – sobre masculinidade tóxica e perseguição on-line. Ainda estou agradecida e ainda está influenciando minha carreira até hoje”.

O sucesso de YOU rapidamente levou à primeira oferta de longa-metragem de Lail como papel principal na Countdown da STX, um filme de terror sobre um aplicativo que prevê a hora exata da morte de uma pessoa. Pela primeira vez em sua carreira, Lail gostou do processo de fazer leituras de química envolvendo seuas colegas do sexo masculino. “Isso foi divertido para mim, porque eu sempre testei com o cara que lidera um programa ou filme”, ​​explica Lail. “Então, desta vez, todos tiveram que testar sua química comigo, e essa foi uma experiência muito gratificante para mim.” Em uma conversa recente com o THR, Lail também discute seu retorno na segunda temporada, sua experiência com Fincher em seu, agora extinto, programa da HBO e os detalhes de sua audição para Supergirl.

É uma péssima primeira pergunta, mas se esse aplicativo de expectativa de vida realmente existisse – menos os demônios – você o baixaria por curiosidade mórbida?

(Risos.) Decidi que não faria o download. Quanto menos aplicativos tiver no meu telefone, melhor… prefiro viver o momento e esperar o melhor. Se algum dia eu ler que provavelmente morrerei entre 72 e 76 anos, não conseguiria tirar isso da cabeça… não seria capaz de fingir que não vi ou não pensar. Então, não, mas sou apenas eu. Eu acho que muita gente faria o download.

Este filme levou você a ler os acordos do usuário com mais frequência?

Não. Aparentemente, eu não aprendo nada. (Risos.) Concordo a qualquer momento com os acordos de usuários, como todos os outros. De qualquer forma, me deu vontade de iniciar um movimento que simplifica os acordos com os usuários e é direto ao ponto. Pelo menos, que facilite a leitura.

Houve algo incomum no processo de audição?

Foi a primeira vez que eu fiz leituras de química, que foram com os atores fazendo testes para Matt. Isso foi divertido para mim, porque eu sempre estive  fiz com o cara que lidera uma série ou filme. Então, desta vez, todos tiveram que testar sua química comigo, e essa foi uma experiência muito gratificante para mim.

E Countdown também foi sua primeira oferta de trabalho?

Sim!

Quando tempo demorou para você receber?

Talvez mais ou menos seis meses. Foi logo depois de lançado na Netflix.

Nos sets de The Counjuring, um padre precisava abençoar  oss sets porque muitas coisas assustadoras acontecem ao longo dos anos. Aconteceu alguma coisa incomum no set Countdown?

Uau. Isso me assusta. Não, nada mesmo. Era um set tão divertido e alegre, além de assustador. Todo mundo estava tão feliz por estar lá; a energia era tão positiva. Acho que expulsamos qualquer energia negativa por sermos raios de luz, independentemente do que estávamos produzindo.

Alguns atores me disseram que ficam assustados em fazer filmes de terror, apesar da presença de um operador de boom. Outros me dizem que apenas se sentem um pouco patetas durante os momentos assustadores. Você já ficou realmente assustada durante várias cenas?

Há assédio sexual no filme, e isso faz minha pele se arrepiar muito mais do que os jump scares ou ver o demônio [Dirk Rogers]. Eu tentei muito não ver o demônio até estar na câmera e pronta para filmar pela primeira vez. É milagroso o que a equipe de maquiagem pode criar.

Eles separaram você e seus colegas de elenco do demônio para manter a ilusão?

Somente no começo – antes de eu ter visto pela primeira vez. Dirk se sentava conosco no set, e eu me sentia muito mal por ele, porque ele tinha uns dentes e próteses falsas que dificultavam muito o fato de ele comer e beber. Eu me vi tentando muito tratá-lo com bondade, assim como todos os outros, porque seu traje era horrível de se olhar. (Risos)

Você teve cenas hilárias com Tom Segura. Essas cenas estavam todas na página ou o diretor-escritor Justin Dec deixou vocês irem na improvisação?

Acho que minhas falas foram escritas, mas Tom, como comediante profissional, estava improvisando bastante enquanto estávamos filmando. Ele fazia a essência do que foi escrito, mas também adicionava sua própria comédia pessoal. Eu acho ele incrivelmente engraçado. Juntamente com o Padre John, de P.J. Byrne, esses são meus personagens favoritos do filme. Eles trazem muita leviandade e diversão ao filme.

Semelhante a Breaking Bad, quando YOU lançou no Netflix, tornou-se um fenômeno. Apesar de você estar ciente do destino de Beck desde o início do projeto, o sentimento se tornou agridoce quando 40 milhões de pessoas o assistiram nas primeiras quatro semanas na Netflix?

Não, parece cereja no topo do bolo. Você nunca sabe realmente o que está se envolvendo e não tem ideia se alguém vai querer assistir ou não. Isso me deixou ainda mais grata por fazer parte disso do que já era. As pessoas estavam tão investidas em seu destino, e isso criou muitas conversas interessantes – e importantes – sobre masculinidade tóxica e perseguição on-line. Ainda estou agradecida e ainda está influenciando minha carreira até hoje, o que é ótimo.

O material a deixou mais paranóico em sua própria vida? Por exemplo, você guarda seu telefone agora mais do que nunca?

Eu diria que isso me deixou mais corajosa em minha própria vida. Antes disso, se alguém que eu acabei de conhecer me pedisse meu número de telefone, provavelmente daria a ela para evitar qualquer constrangimento. Essa é apenas a garota legal dentro de mim que não quer parecer de uma maneira particularmente negativa. Mas agora eu ficaria tipo: “Não, você não pode ter meu número de telefone. Talvez você possa me enviar um e-mail… Ou nunca mais vou vê-lo … ”(risos.) Me fez perceber que os limites pessoais são saudáveis ​​e vale a pena estabelecer. É melhor entrar nisso antes que algo horrível aconteça.

Não consigo imaginar alguma hora em que Beck não volte à série. É seguro dizer que você voltará para a segunda temporada?

É seguro dizer que sim.

Bem, espero que seu Force Ghost, ou qualquer que seja a sua forma, leve Joe de Penn Badgley à beira da loucura – mesmo que ele já esteja louco.

(Risos.) Eu não poderia concordar mais. Justiça para Beck!

Você teve cinco primeiros anos bastante movimentados no negócio. Você estave muito perto de ser escalada como Supergirl, e na verdade foi escalada para uma série de David Fincher na HBO chamada Videosyncrazy, que interrompeu a produção após quatro episódios. Você pode me contar sobre seu breve período com Fincher?

Oh, foi incrível. Foi uma das coisas mais difíceis que já tive que fazer. Lembro-me de deixar o set dolorida. Cada parte de mim estava sendo usada inteiramente: meu eu emocional e eu físico. Adorei porque foi um desafio incrível. Eu realmente quero trabalhar com ele novamente; Eu realmente me inspiro nele e sou uma grande fã. Esse foi o segundo papel que já consegui, por isso foi uma oportunidade de aprendizado real. Até mesmo assistir aos outros atores com quem eu estava trabalhando, como Kerry Condon e Jason Flemyng, foi incrível porque eles são profissionais. Fiquei triste por ter que terminar porque era um emprego dos sonhos para mim.

Ainda é o máximo de takes que você já fez em qualquer trabalho?

Definitivamente, sim! (Risos.) Adoraria tentar de novo, porque agora estou mais à frente na minha carreira. Eu ficaria interessada em ver como está a minha resistência agora comparada com antes.

Você estava no set um dia e um produtor anunciou que tinha que parar? Foi assim que o desligamento funcionou?

No começo, foi só “Oh, vamos fazer uma pausa”. Não era para ter acabado para sempre. Então, eu estava no set um dia, e alguém disse: “Oh, não vamos filmar na próxima semana.” E então, tornou-se: “Oh, não vamos filmar pelas próximas duas semanas.” Eu acho que eles tiveram que algumas diferenças criativas, e acabou morrendo na água, lenta mas seguramente.

Eu ouvi alguns atores falarem sobre seus testes para papéis de super-heróis e como eles propositalmente pedem para ir ao banheiro apenas para que possam tirar uma foto de si mesmos no traje, se não conseguirem o papel. Você conseguiu fazer algo parecido com a Supergirl?

Não, acho que estava com minhas próprias roupas. Eu tive que fingir voar certa hora. Havia uma máquina de vento. (Risos.) Fizemos cenas entre Kara e a irmã dela, se bem me lembro. Fizemos as interações humanas no piloto quando ela não havia se tornado a super-heroína que tenho certeza que ela é agora. Foi muito divertido para mim. Eu amei fazer esse teste. Essa foi minha primeira vez atuando no lote da Warner Bros., e esse foi um destaque na minha carreira na época. Foi realmente emocionante.

Enquanto Countdown dá muitas risadas, seus últimos três projetos foram bastante sombrios. No entanto, você disse ao seu agente para encontrar algo mais leve em um futuro próximo?

(Risos.) Acho que sou atraída por coisas obscuras, mas definitivamente não me importaria de uma comédia romântica. Para mim, tudo isso é um desafio à sua maneira, e geralmente estou apenas procurando o que mais ressoa comigo na época. Eu gosto de me manter aberto a quaisquer projetos e oportunidades que possam surgir no meu caminho. Às vezes, fico surpreso com o que ressoa comigo, mas apenas tento confiar em meu instinto.

Via
Tradução e adaptação: Elisa – Equipe ELBR;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *