Elizabeth Lail Brasil



 
Elizabeth para a Bare Magazine

Elizabeth para a Bare Magazine

Dizer que Elizabeth Lail é uma ‘alma antiga’ realmente não faz justiça a ela, embora a atriz de 27 anos, nascida no Texas, continue sendo escalada em thrillers psicológicos (veja: YOU e Countdown), o que faz você se perguntar se ela sabedoria e maturidade sobrenaturais não são o que os diretores de elenco estão percebendo quando ela faz os testes. Enquanto ela ri livremente, assiste compulsivamente a Friends e ainda tem o tipo de pele jovem que requer pouco mais que protetor labial, seu profundo conhecimento de seu ofício, compostura e percepção da natureza humana trai completamente sua idade. A Bare Magazine conversou com Elizabeth na cidade de Nova York, onde seu mais recente suspense psicológico, Unintended, teve sua estréia.

ELBR001.jpgELBR002.jpgELBR003.jpgELBR004.jpg
ELBR005.jpgELBR006.jpgELBR007.jpgELBR008.jpg

Por que você acha que continua sendo escalada para suspense psicológico?

O que há comigo? Eu sou tão fácil de matar! O problema é que você nunca é escalado da maneira que pensa que será escalado. Mas eu tenho uma estética de garota  comum e um pouco de escuridão e tristeza por dentro. Não é um lugar em que habito todos os dias, mas definitivamente me ajuda a me conectar com esses personagens.

 O que te atraiu a atuar?

Atuar me escolheu. Foi catártico. Quando eu era mais nova, sempre tentava ser a boa garota. Mas sempre que eu estava em uma peça ou em uma sala de cinema, descobri que era capaz de sentir toda a gama de minhas emoções. Quando eu tinha 12 anos, minha mãe me forçou a fazer um teste para uma peça em um teatro comunitário. Ela falou, “Eu sei que você vai gostar disso.” Ela estava certa. Eu participei de um programa de verão na University of North Caroline School of the Arts quando tinha 15 anos e isso mudou a minha vida. Eu estava cercada por artistas. Eu encontrei meu povo! Depois disso, fui para a UNCSA para o ensino médio e a faculdade.

E você tem trabalhado constantemente desde então, parabéns! A que você atribui isso?

Cerca de um mês depois de me formar na faculdade, consegui um papel em ‘Once Upon a Time’. Desde então, tive uma trajetória de muita sorte. A escola me deu as ferramentas para me tornar uma atriz – e as conexões na indústria. [Elizabeth conheceu seu agente na escola também.]

Você está tão concentrada em atuar desde tão nova, você pensa no que poderia fazer se não fosse atriz?

Eu realmente não consigo me imaginar fazendo outra coisa. Há algo sobre atores. Sempre experimentamos descontentamento. Estamos sempre querendo descobrir mais e nos desafiar. Se eu não tivesse uma carreira que criasse a oportunidade de fazer isso, acho que me sentiria ainda mais insatisfeita.

Você é uma pessoa bastante intensa, o que você faz para relaxar?

Eu bebo chá. Parece bobagem. Mas estamos sempre fazendo dez coisas ao mesmo tempo. Se eu tomar um gole de chá, isso imediatamente me trará paz. Eu também gosto de assistir Friends e comer pipoca. Eu chamo isso de TV de papel de parede. Envolve você com conforto.

Ouvimos dizer que você também é uma colecionadora de diários.

Sim. Eu tenho todos esses diários antigos e tenho medo de descartá-los. É a minha meditação. Eu escrevo fluxo de consciência. Às vezes, é estritamente sobre gratidão. É realmente apenas um lugar para eu fazer check-in. Toda a minha complexidade surge quando estou livre para dizer o que quero dizer no meu diário. Às vezes, olho para uma página e isso me dá uma ótima perspectiva. Isso me faz ir “cara, tudo realmente passa”. Depois, há novos assuntos, alegrias e coisas para comemorar. Você vê que a vida é como uma série de estações e nunca sabe em qual delas se encontrará na próxima.

Falando em paixões, você é muito ativa com a Sea Shepherd, certo?

Sim. Eu estava fazendo divulgação para Unintended, e um dos distribuidores do filme que estava envolvido com a organização percebeu que eu estava interessada no meio ambiente. Então, ele fez a conexão e foi assim que começou. São pessoas fazendo o trabalho realmente duro para proteger os oceanos. Não apenas carregando garrafas de água reutilizáveis, mas isso também é ótimo, é claro. Tive a honra de ser uma porta-voz para eles outro dia, quando o Empire State Building foi iluminado de azul para honrar o compromisso da Sea Shepherd com o oceano. Eu pude ligar o interruptor das luzes!

Você tem animais de estimação?

Eu sou uma pessoa que gosta de animais em geral. Eu tenho uma gata, que eu amo muito. Fui o lar temporário dela por um tempo e eu simplesmente não me largar, então agora ela é minha. O nome dela é Jo, inspirado em Little Women. Muitas pessoas são anti-gatos, mas quando os gatos decidem te amar, é realmente emocionante. Sinto como se fosse um gato em uma vida passada.

Qual é o seu projeto dos sonhos?

Eu adoraria fazer uma peça. Algum drama realista. Eu gosto de família e relacionamentos, então adoraria fazer uma peça realmente incrível na Broadway ou no West End. Isso seria um marco importante para mim. Eu me torno uma atriz melhor quando estou trabalhando em uma peça.

Qual foi sua maior inspiração pessoal ou profissional?

Eu tenho que dizer minha família. Meus pais, irmã e avós. Sou fruto de todos eles e estou feliz com isso. Quero dizer, eu posso literalmente ver minha mãe e minha avó em minhas mãos. Eles são uma parte tão intrínseca de mim. Eu sempre digo que os irmãos podem ser um tiro no escuro, mas minha irmã mais velha escolheu me amar, então éramos uma equipe crescendo. Quando tivemos problemas, ela se certificou de ter mais problemas que eu.

E você tem um parceiro agora?

Sim. E ele não é ator. Eu o chamo de pessoa normal.

A maioria dos seus amigos são atores?

É uma divisão bastante equilibrada. Não discrimino os atores da maneira que algumas pessoas fazem. Na maioria das vezes, os atores são pessoas interessadas em outras pessoas, o que faz de um amigo realmente bom.

Que trabalho teatral teve um grande impacto em sua vida?

Les Misérables. Foi um dos primeiros musicais que eu já vi. Eu me senti tão conectado com Éponine. Meus pais tinham visto em Londres e frequentemente tocavam a trilha sonora no carro, então isso também fazia parte da história deles. Eu já vi isso algumas vezes na Broadway e me relaciono com um personagem diferente a cada vez. Eu sempre posso voltar a isso. A peça que mais me emocionou foi All My Sons, de Arthur Miller. Há muito o que ter, muito a descobrir. Você poderia cavar sem parar dentro de suas peças.

Como você definiria seu estilo?

Meu estilo é… confortável. Estou disposto a usar qualquer coisa disponível, mas prefiro confortável e aconchegante. Roupas que parecem ser de casa.

E como é sua rotina de cabelos e maquiagem?

Eu gosto muito da simplicidade na beleza. Eu tenho sido uma usuária consistente do Burt’s Bees Lip Balm de romã. Mas meu sonho é não usar maquiagem! Até deixo meu cabelo secar ao ar. Por isso ele é assim. Mas eu deixei Tina [diretora criativa da Bare Magazine e a maquiadora cujo trabalho você vê aqui] me maquear para esta sessão.

Ok, guardando o melhor para o final. Você é fundamentalmente otimista ou pessimista? Você acha que a natureza humana é boa ou ruim?

Eu me consideraria fundamentalmente uma otimista com algumas tendências pessimistas. E acho que a natureza humana não é boa nem ruim. Principalmente, somos apenas quem somos em um determinado dia. Para não dizer que não existem pessoas más no mundo, mas como conceito, também não somos. Nós somos apenas seres.

Via
Tradução e adaptação por Elisa – Equipe ELBR;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *